Era ‘coerência’ demais, não podia dar certo

 

 

A vitória da Holanda e a consequente eliminação do Brasil na Copa da África deixou, por certo, milhões de brasileiros desapontados. Não creio, porém, que alguém tenha ficado surpreso. Embora Dunga, por conta de seus problemas com a rede Globo tenha, subitamente, conquistado uma imensa legião de fãs de última hora, a verdade é que ninguém tinha o direito de esperar muito da Seleção Brasileira nesta Copa, não depois das escolhas que Dunga fez.

Não lembro de ter ouvido muitos elogios ao treinador brasileiro, e, honestamente, não acho que ele merecesse mesmo. O máximo de referência elogiosa que alguém conseguia fazer à convocação feita por Dunga é de que ele "havia sido coerente".

Sei lá, não penso assim. Acho que Dunga acabou sendo mesmo foi teimoso. Quando Dunga justificou a não-convocação de Ganso e Neymar alegando "falta de experiência" pelo fato de eles jamais terem sido convocados anteriormente, Dunga foi no mínimo injusto, afinal, quem nunca havia antes convocado os dois atletas santistas fora o próprio Dunga. Não acho ‘coerente’ não convocar alguém sob a alegação de que esse alguém jamais foi convocado. O nome disso é burrice.

O que Dunga fez com Victor, goleiro do Grêmio, foi ainda pior. Depois de tê-lo convocado por seguidas vezes e jamais ter-lhe dado a chance de jogar sequer alguns minutos, Dunga cortou o goleiro gremista, deixou-o fora do grupo que disputou a Copa, e justificou-se dizendo que o cortara porque ele jamais havia jogado um jogo sequer pela Seleção. Ora, como poderia ele, Victor, ter jogado, se foi o próprio Dunga quem o impediu de fazê-lo? Como poderia Victor atuar com a camisa da Seleção Brasileira se o treinador jamais permitiu que ele entrasse em campo? Será que Dunga esperava que Victor, em alguma partida, invadisse o gramado, expulsasse Júlio César do gol e assumisse seu lugar? Será que era isso?

O Brasil, embora a falha gritante de Júlio César no primeiro gol da Holanda, não foi eliminado pela ausência de Victor. Não, não foi. Mas talvez o tenha sido pela ausência de opções como Neymar,  Ganso e/ou Ronaldinho Gaúcho.

Quem sabe Hernanes pudesse ter jogado contra a Holanda?

Não se pode lamentar o fato de que Felipe Melo tenha sido expulso. Desde 2009 tenho ouvido vários críticos esportivos ‘adivinharem’ que isso iria acontecer. Mas Dunga, que certa vez havia gostado de uma atuação de Felipe Melo em jogo amistoso contra a Itália, insistiu em convocá-lo, em fazer dele seu titular. Felipe Melo, que foi expulso contra a Holanda, já havia escapado de sorte igual em duas oportunidades, contra Costa do Marfim e Portugal. Uma hora isso haveria de acontecer. Aconteceu nas quartas-de-final. Uma pena. Ainda mais porque o Brasil havia jogado um belíssimo primeiro tempo. Creio que não exageraria se dissesse que o Brasil, até iniciar a segunda etapa, estava realizando sua melhor atuação na África do Sul. Uma pena.

Porém, um castigo merecido para quem já começou errando desde a convocação. Nomes como Grafite, Josué e Júlio Batista nada têm a ver com Seleção. São apenas jogadores de clubes. Nada têm de especial. Tanto isso é verdade que só estiveram na África para assistirem a Copa. Úteis mesmo talvez só para comporem o time reserva durante os treinamentos secretos do time de Dunga, o ‘coerente’. Júlio Batista até esteve em campo contra a Seleção Portuguesa, mas jogou tão pouco que a possibilidade de fazer dele uma alternativa durante o segundo tempo do jogo contra os holandeses nem deve ter passado pela cabeça de Dunga, o teimoso.

Não acho que o Brasil tenha sido eliminado da Copa neste jogo contra a Holanda. Na verdade o próprio Brasil começou a eliminar-se quando deram a Dunga autonomia suficiente para por em prática sua desastrosa ‘coerência, sua ineficiente ‘convicção’ e sua irritante teimosia.

O Brasil que saiu da Copa do Mundo 2010, não saiu de cabeça erguida como o de 1982, que mostrou talento, que encantou o mundo, que perdeu no detalhe, que manteve intacta a tradição brasileira de ser ‘o país do futebol’. Não, não saiu assim. O Brasil que saiu da Copa do Mundo 2010, saiu merecidamente derrotado, superado amplamente pela Holanda. O Brasil saiu da Copa sem fazer nenhuma grande exibição, sem mostrar futebol, sem demonstrar superioridade sobre nenhum dos adversários que enfrentou, exceto o Chile. Nem mesmo à valente Coréia do Norte o Brasil conseguiu ser realmente superior. Ganhou da Costa do Marfim muito em razão do gol cheio de erros de arbitragem que Luís Fabiano marcou logo no início da segunda etapa e ‘matou’ qualquer possibilidade de reação africana.

O Brasil saiu da Copa sem jogar, sem brilhar e sem ter do que reclamar. Saiu sem merecer ficar. No futuro nenhum jogador será lembrado por essa Copa, só Fábio Melo.

Quanto a Dunga, capitão do tetra, que já foi responsabilizado pelo fracasso brasileiro em 1990, na Itália, agora terá de assumir a culpa por mais esse fracasso. E desta vez eu acho que os críticos têm razão. O Dunga é mesmo o culpado de tudo.

Anúncios

Uma opinião sobre “Era ‘coerência’ demais, não podia dar certo”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s