Junior Barranquilla (COL) 2×1 Grêmio (Muita coisa pra acertar)

 

 

A derrota de ontem, para o Junior Barranquilla, não nos serve para muito, sobretudo, não nos serve para decifrar qual o esquema tático preferencial de Renato.

Renato mandou a campo um Grêmio escalado com dois volantes, mas, ao que tudo indica, o fez a contragosto. Pelos depoimentos chegados de Barranquilla, Lúcio deveria começar o jogo. Isso é muito natural, afinal ele é, desde o ano passado, titular absoluto do meiocampo gremista, ao lado de Douglas. A dúvida que permaneceu para mim diz respeito a quem, caso Lúcio não sentisse a lesão e tivesse iniciado a partida, sairia para ceder-lhe o lugar. Adílson ou Carlos Alberto?

  • Assista os melhores(?) momentos de Junior Barranquilla 2×1 Grêmio

Enfim, Lúcio não jogou e o Imortal perdeu, de virada, atuando com dois volantes, meu esquema preferido. Não sei se isso foi bom ou ruim, não sei. O que sei, e agora qualquer um pode saber, é que Carlos Alberto está há milhares de anos luz da qualidade tática de Lúcio. Qualquer um sabe, e creio que Renato devesse saber, que Carlos Alberto não consegue, simplesmente não sabe, marcar sem ser violento. Já era assim em outros clubes onde atuou. Por quê seria diferente aqui? Preocupado em marcar, Carlos Alberto não conseguiu jogar. Ficamos com um homem a menos. Douglas não marca mesmo, nem tenta, não podemos contar com ele para isso. Rochemback, por sua vez, voltou, na noite passada, a ser o velho errador de passes dos tempos que chegou à Azenha, como ´tem por característica muito mais correr do que propriamente desarmar o adversário, acabou que não armou nem defendeu. Ficamos com dois a menos. Do lado esquerdo Gilson foi o Gilson de sempre, insuficiente, reserva nato de Bruno Collaço, só o Renato não vê. Daí já são três a menos. Sobrou pro coitado do Adílson que, enlouquecido e correndo pra todo lado, não deu conta da marcação. Nem poderia, coitado. O resultado disso tudo foi que o Tricolor tomou um passeio e o Junior merecia ter virado o jogo ainda no primeiro tempo.

Na segunda etapa, já com Bruno Collaço na lateral e com o ineficiente Gilson no meio campo, o Grêmio até melhorou, porém esbarrou na falta de qualidade do próprio Gilson, na falta de atitude do desligado Douglas e na falta de um companheiro ideal para o centroavante titular, que tanto pode ser Borges quanto André Lima. O que não pode, ao menos é o que vimos até agora, é os dois jogarem juntos. Ainda que André Lima tenha feito dois gols contra o Ypiranga, ainda que Borges tenha marcado naquela partida e marcado também na de ontem, é fácil perceber que os dois não fazem parceria, não tabelam, não jogam juntos, não se ajudam, não são uma dupla.

Renato não tem culpa em não encontrar um substituto para Jonas, talvez ele não exista mesmo no elenco, mas não pode ser inocentado de sua atitude, para mim teimosa, de insistir com Gilson no time e de ter aparentemente ‘arquivado’ Vinícius Pacheco e Escudero, que dizem estar machucado.

Foi a primeira derrota – tomara que seja a única – ainda dá para classificar tranquilamente. Porém ainda tem muita coisa pra acertar antes que comecem os mata-mata.

Anúncios

Uma opinião sobre “Junior Barranquilla (COL) 2×1 Grêmio (Muita coisa pra acertar)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s