Arquivo da tag: Melhor do Mundo

O favorito.

 

luca bruno, ap Existem muitas pessoas que dizem que em toda partida de futebol, sempre é possível apontar um favorito. Acredito que, mesmo essas pessoas, concordem que este não era o caso do jogo desta tarde, pela Champions League. Não creio que, antes do jogo, houvesse alguma maneira de se apontar, com certeza, superioridade de uma equipe sobre outra. Na minha opinião, Manchester e Barcelona, chegaram à final em condições absolutamente equivalentes, qualquer um poderia vencer. Não havia um favorito.

Particularmente eu até imaginava que o Manchester fosse vencer, mas era puro palpite. Logo no início, meu palpite até parecia bem razoável, já que o Manchester começou bem melhor do que o Barcelona. Mas foram apenas alguns minutos. Foi apenas até que o Barcelona conseguisse a primeira posse de bola, armasse sua primeira jogada de ataque e marcasse seu primeiro gol.

Claro que o gol não definiu a vitória da equipe espanhola, mas definiu, de maneira muito clara, sua superioridade sobre o adversário. A partir do um a zero o Barcelona passou a ser o dono absoluto do jogo, daquele momento e até o final da partida, foi sempre o Barcelona quem esteve melhor e, principalmente, foi sempre o Barcelona quem esteve com a bola.

Foi decepcionante o Manchester. Mais do que querer explicar a derrota por atuações individuais de baixo nível, será preciso admitir que a equipe de Sir Ferguson, coletivamente, simplesmente não existiu.

Pelo Barça, Lionel Messi foi o maestro da equipe, especialmente na segunda etapa, na primeira nem tanto. Xavi e Iniesta foram dois monstros no meio campo, impediram que o adversário sequer tivesse a chance de iniciar alguma jogada e, de quebra, fizeram o Barça funcionar como um relógio suíço. Mas eu não posso deixar de destacar a atuação de Puyol. Como jogou o Puyol.

Com o título conquistado e tendo ainda marcado um gol, não há como Messi deixar de ser eleito o Melhor do Mundo.

Pela terceira vez o Barça conquista a Champions, pela terceira vez tem a chance de ser Campeão do Mundo. Nas duas primeiras vezes os espanhóis fracassaram, não acredito que deixem escapar desta vez. Seja contra quem for que dispute o título em Dubai, quem sabe contra o Grêmio, na verdade o Barça já é o favorito. Afinal, há quem diga que todo jogo sempre tem um favorito. Não é isso?

Anúncios

Tá na hora do Pato.

 

Chega de esperar, tá na hora.
Chega de esperar, tá na hora.

 

O futebol está cheio de profissionais, desde jogadores, preparadores físicos, jornalistas, comentaristas e até treinadores. Apenas nós, os torcedores, é que somos amadores. Nós somos, invariavelmente, chamados de passionais, o que seria o contrário de racionais, pois esses seriam eles.

Em última análise pensamos com o coração, não usamos o cérebro, portanto não temos razão naquilo que pensamos ou dizemos, somos burros.

Ao longo do tempo temos sido acusados de achar-nos, cada um de nós, um treinador. No entanto, se Celso Roth pode treinar um clube da grandeza do Grêmio, se Dunga pode treinar a Seleção Brasileira, até quem é burro pode perceber que qualquer um pode ser treinador.

Se o Pato não começar jogando amanhã, se não se tornar, a partir desse jogo, o titular da Seleção Brasileira, então estou louco. O Pato não pode ser a reencarnação de Romário, uma vez que Romário não morreu, mas é sua re-edição.

Deixem o Pato jogar. Deixem o Pato voar. Deixem que Alexandre nos encante.

Deixem que encante a nós, todos nós, torcedores ‘profissionais’.

 

 

O Pato tá pronto.

 

alexandre vive 'o ano do pato'
alexandre vive 'o ano do pato'

 

Segundo prega a astrologia chinesa, o ano de 2009 é considerado como sendo o ano do Boi. Quem sou eu para duvidar? Afinal de contas, a sabedoria chinesa é lendária.

Mas é preciso considerar, pelo que temos visto nas transmissões da Band desde janeiro, que talvez não seja bem assim. Até agora, ao menos para mim, esse parece ser o ano do Pato.

O goleador milanês voltou a brilhar mais uma vez, aliás, como faz quase sempre. A jogada do segundo gol que fez contra o Siena, me lembrou muito aquela do gol que Pelé ‘quase’ fez no México em 70. É claro que, plasticamente, a jogada de Pelé foi perfeita, enquanto a de Pato, hoje, não foi tanto assim. Mas acredito que o raciocínio do menino paranaense hoje, deva ter sido, mais ou menos o mesmo que teve o Rei naqueles tempos.

Não estou querendo dizer com isso, que Alexandre seja, ou venha a ser algum dia, comparável a Pelé. Não é isso. Sempre achei que o Pato seria um craque do nível de Romário, o que já é muita coisa. Ainda acho isso. O que eu não achava antes e, comecei a achar neste ano, é que o Pato está pronto. Indiscutivelmente pronto para ser titular do time de Dunga. E pronto também para, pelo menos disputar, o título de melhor jogador do mundo.

Eu apostei que seria em 2011. Quem sabe não será antes?

Bah, daí eu perco essa aposta.