Arquivo da tag: Kleber

Aimoré 2×1 Grêmio – Torcer pra quê?

AIMORÉ X GRÊMIO

A ‘Operação Desmanche’ promovida por Romildo Bolzan ainda há de nos proporcionar muitos desencantos como o de ontem à noite.

Foi lamentável o que a equipe demonstrou em São Leopoldo. Dominado pelo Aimoré desde o primeiro minuto, o Tricolor não conseguiu produzir praticamente nada durante todo o primeiro tempo. Lento e desorganizado, não ameaçou empatar o jogo, e ainda acabou por sofrer o segundo gol no último lance da etapa inicial. Com Felipe Bastos em péssima noite e Arthur ‘inventado’ ao seu lado, o Grêmio não sabia se defender. Com um Douglas sonolento e irritante, o time não criava nada. Jogadas pelas laterais nem pensar. O preguiçoso Marcelo Moreno e o esforçado Lucas Coelho atrapalhavam um ao outro e não davam a menor demonstração de que poderiam, em algum momento, formar uma dupla. O dois a zero contra foi um resultado bem correto.

O Grêmio voltou alterado do intervalo. Felipão sacou Arthur e passou Galhardo para a função de volante. Na lateral fez entrar Matias Rodriguez. O time piorou. O Tricolor só melhorou um pouco após a tardia entrada de Lincoln. Luan, em lance de sorte, chegou a diminuir a vantagem do Aimoré, mas a reação não foi suficiente. Mesmo que a arbitragem tenha expulsado, bem no final, dois jogadores da equipe de São Leopoldo, ainda assim o Grêmio não demonstrou força suficiente para chegar ao empate.

A ‘Operação Desmanche’ ainda não conseguiu livrar o clube de alguns pesados pesos-mortos como Marcelo Moreno e Kleber, mas já foi capaz de deixar bem claro para qualquer um que queira ver, que não temos nem teremos time em 2015.

Após assistir seu time ontem Felipão concluiu que “não tem como jogar assim”. Já eu, após assistir a derrota concluí: se for assim de que adianta torcer?

Anúncios

Quando os dispensados viram solução…

Foto: Gazetapress
Foto: Gazetapress

Quem não tiver memória muito curta será capaz de lembrar da euforia que tomou conta de grande parte da torcida gremista logo no início deste ano, encantada com as contratações providenciadas por Pelaipe, iludida pelas promessas de Paulo Odone, como Giuliano, por exemplo, além de alguns nomes de grandes zagueiros, até o nome de Lugano foi especulado.

No twitter, postei que essa euforia toda apenas me fazia lembrar do início de algumas temporadas recentes. Que não estava vendo, na prática, nenhuma diferença entre o Grêmio que se preparava para 2012 e o Grêmio que se preparou para outros anos anteriores, pois, na prática, já que que não acho que Marcelo Moreno seja um matador de verdade (um grande goleador), o único grande reforço do Grêmio para 2012 foi mesmo Kleber. Pouca gente concordou comigo. Perdi alguns seguidores. Paciência!

Passados três meses, perdido já um turno do Gauchão e com o Tricolor demonstrando terríveis dificuldades para vencer adversários de quase nenhuma expressão, acho que o número de gremistas capaz de concordar comigo já deve ter aumentado bastante.

Não estou secando o nosso Grêmio. Sou gremista, ora. Eu não seco o Tricolor, eu apenas, enquanto torço por ele, o observo. Observar o Grêmio nestes últimos anos, outra coisa não tem sido senão observar defeitos. À exceção da segunda metade de 2010, quando o Imortal, treinado por Renato Portaluppi, passou a praticar o melhor futebol entre todos os times brasileiros, o resto destes últimos anos tem sido algo difícil de elogiar. Então, – o que vou fazer? – dê-lhe corneta.

Sempre sonhando que o Grêmio vai se acertar, que as coisas vão começar a correr bem e que tudo vai dar certo, anseio por boas notícias. Mas cadê que elas vem?

A grande dupla de ataque capaz de provocar toda aquela euforia de início de ano tombou. Kleber só volta depois do inverno. Marcelo Moreno deve parar por pouco tempo, apenas vinte dias é o que dizem, mas é lesão muscular, e lesão muscular a gente sabe como é, né?

Isso só já seria notícia ruim o suficiente, capaz de estragar a Páscoa de qualquer gremista bem menos ‘doente’ que eu (ou que nós, né?). Mas isso, porém, não é tudo, tem mais coisas a queimar meus poucos neurônios sobreviventes.

Leandro é uma decepção completa, não vai jogar, não tão logo. Facundo Bertoglio, um cara em quem eu tenho muita esperança (apesar de ser extremamente frágil), está demorando um pouco mais do que eu pensava que demoraria para se adonar da titularidade.

Já pensaram que droga isso? Será que vamos ficar nas mãos de Miralles e André Lima?

Ambos  foram dispensados  no início do  ano, um  por falta de qualidade, o  outro por falta de dedicação. Na verdade acho que a ambos faltam as duas coisas.

Que droga! Vamos ter que rezar, gente. Vamos ter que contar com o improvável… exatamente como nas temporadas passadas.

Sei lá, ainda bem que a gente é imortal, ainda bem que a gente nunca deixa de acreditar.

E vamos ter que acreditar mesmo muito, pois quando os dispensados passam a ser a solução…

Grêmio 100%. E a gente acha que tá cuidando

Quando a gente ama, claro que a gente cuida. Peninha escreveu isso, Caetano cantou.

A gente que é gremista e que ama o Grêmio acima de tudo gosta de acreditar que, ao associar-se ao clube e ir ao estádio assistir e apoiar o time, na verdade está cuidando do Grêmio. Às vezes a gente canta, às vezes a gente grita e aplaude empurrando o time. Às vezes a gente vaia. Mas as coisas são mesmo assim, né? Na vida, às vezes a gente chora de dor, às vezes de felicidade. Torcer pelo Grêmio é assim também.

No meu caso, nada me irrita mais, nada me dá mais vontade de vaiar, do que demonstrações de falta de capacidade ou vontade. Mas acho que isso é o que ocorre com a maior parte dos torcedores do mundo inteiro.

Grêmio 100%. E a gente acha que tá cuidando
Grêmio 100%. E a gente acha que tá cuidando

Odone e Pelaipe ainda não tiveram a capacidade de contratar um zagueiro realmente merecedor da titularidade no grupo. Tem gente falando que Naldo tem grande chance de vir para a Azenha, tem gente negando essa informação. O velho diz-que-diz que só serve para confundir o torcedor. Sei lá se Naldo vem ou não vem. Tomara que venha logo. Se não for ele, que seja algum outro do mesmo nível. Algum zagueiro realmente qualificado, capaz de evitar que Victor tenha que passar por alguns grandes sustos como os pelos quais passou na noite de ontem. Não precisava ser assim, não deveria ter sido assim, especialmente considerando que o Tricolor jogava em casa contra um time que até agora não conseguiu um único ponto jogando como visitante. Faltou qualidade defensiva ontem – de novo -, e isso ocorreu porque há bastante tempo está faltando competência da parte de nosso executivo de futebol. Desculpe-me, Pelaipe, mas está faltando mesmo. Vaias, portanto, para a incompetência da direção.

Mas a vitória veio, mais uma sob o comando do invicto Luxemburgo. Fechamos o mês de março com aproveitamento de 100% . Ganhamos todas, ganhamos de todos. Que bom!

É bem verdade que o nível dos adversários que enfrentamos não foi lá dos mais elevados. Até bem ao contrário disto. Mas o fato que mais me agradou na vitória sobre o Avenida ontem foi o modo como o Imortal encarou a partida. O Grêmio, desde os primeiros momentos do jogo, deixou bem claro que estava ali disposto a vencer. Muito disposto. O Tricolor fazia absoluta questão de ganhar do Avenida. Talvez por Kleber, talvez pelo próprio grupo, talvez por alguma razão que eu desconheça, talvez pelo simples fato de que se trata do Grêmio, ou simplesmente porque o atual grupo do Grêmio esteja mesmo disposto a ser campeão. Que tal começar sendo campeão gaúcho, hein? Já é um começo, né? Depois vêm os outros títulos. Gostei do Grêmio ontem, gostei da disposição, gostei da dedicação, gostei de quase tudo. Só não gostei da zaga. Palmas, portanto, para a vontade de vencer do time.

Às vezes a gente vaia, às vezes a gente aplaude. Às vezes a gente é chamado de fanático, às vezes de corneteiro. Mas isso tudo é só porque a gente ama e acha que está cuidando.

  1. Leia mais sobre Grêmio 4×0 Avenida